Miomas uterinos e os diagnósticos por imagem


20 de maio de 2015

“ ”

Miomas uterinos e os diagnósticos por imagem

Miomas são tumores benignos do tecido muscular liso. O local onde ocorrem com maior frequência é o útero. O médico da Documenta, Dr. Luiz Mario Labadessa, esclarece: “O crescimento dos miomas se dá pela ação do estrogênio, um hormônio feminino importante. Isso explica seu aparecimento na fase reprodutiva da mulher, a redução do seu tamanho na menopausa e a sua ausência na puberdade”. 

Existem, basicamente, quatro tipos de miomas: intramurais, submucosos, subserosos e pediculados. A confirmação de sua existência é por meio de um exame de diagnóstico por imagem. “Pelo exame de ultrassom é possível medir a localização e as dimensões de um mioma. O ultrassom também é muito utilizado para acompanhar seu crescimento, redução ou estabilização, por isso, muitas vezes, os ginecologistas solicitam exames periódicos. Outro exame muito utilizado é a histeroscopia. É realizado com a introdução, no útero, de uma sonda contendo uma espécie de câmera, que permite a visualização da cavidade uterina. A histeroscopia ajuda muito no diagnóstico dos miomas submucosos, frequentemente, os mais sintomáticos”, explica o Dr. Labadessa. 

Apesar de serem tumores benignos e muitas vezes assintomáticos, os miomas podem causar anemia quando determinam sangramento excessivo na menstruação. Eventualmente causam dor durante as relações sexuais e, quando ocorre o aumento exagerado do útero, podem causar a compressão da bexiga, reduzindo sua capacidade de armazenar urina. Outro sintoma decorrente da compressão é a constipação intestinal (prisão de ventre) que ocorre quando o útero comprime o reto e dificulta a passagem das fezes. 

“Existem diferentes tratamentos para os miomas, desde o medicamentoso até o cirúrgico. Um deles é a embolização, uma técnica pouco invasiva que utiliza equipamentos de diagnóstico por imagem para sua realização. É feito apenas um corte minúsculo na virilha, para que o médico radiologista intervencionista introduza os cateteres. Por meio deles são enviados materiais para a oclusão dos vasos sanguíneos, que alimentam o mioma. Sem receber sangue, os miomas "murcham" e os sintomas desaparecem. A técnica deve ser indicada pelo médico da paciente, pois nem todo mioma pode ser tratado pela embolização”, finaliza o médico da Documenta.